segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Resposta ao jornalista Juremir

Nos últimos dias o colunista do Correio do Povo, Juremir Machado da Silva, resolveu me atacar, com impropérios, chamando-me de neoliberal e de guru do governador Sartori. Que orgulho teria se isso fosse verdade!

Na realidade pouco conheço o governador Sartori, com quem mantive escassos contatos e no passado distante. Se ele está fazendo algumas coisas que constam do meu livro, é por mera coincidência.   e está agindo corretamente, porque lá estão, fora de qualquer modéstia, as soluções para o Estado do Rio Grande do Sul sair da crise.

O jornalista em questão, recentemente publicou uma matéria onde anexa a parte do livro “O Rio Grande tem saída?”, p. 301/2012, onde estão as sugestões feitas por mim para o Estado sair da crise, que citarei algumas,  ao mesmo tempo em que pergunto, se elas são proposições neoliberais:

1)    Fazer a reforma da previdência, visando corrigir o problema das  aposentadorias precoces, onde 87% dos servidores  se aposentam com cinco ou dez anos a menos, sendo a metade com 50 anos de idade mínima e ¼ sem essa exigência.  Levando em consideração que nos países ricos as pessoas estão se aposentando com 65 ou 67 anos, a maioria países sociais-democratas, eu pergunto onde está o neoliberalismo em defender isso?

2)    Modificar os critérios da pensão por morte, onde uma pessoa jovem com todas as condições para trabalhar pode ficar até 50 anos ou mais, dependendo da situação,  recebendo uma alta remuneração  paga pelo contribuinte.  Isso é neoliberalismo?

3)    Alterar o plano de carreira do magistério, um plano da década de 1970, o mais velho do País, anterior à vigência de LDB,  que define carreiras que não existem mais, que só vai pagar um salário melhor par o professor no final de sua carreira, quando ele está deixando a sala de aula. Se eu fosse demagogo e populista,  eu defenderia isso, mas prefiro ser o que sou, responsável com o futuro de meu Estado.

4)    Aposentadoria complementar, se o Estado mais rico do país, São Paulo,  e a União, já adotaram. A União,  no atual governo.

5)    Alterar o acordo da dívida, visando pagar menos e zerar o saldo devedor, onde está o neoliberalismo?

6)    Rever os altos salários iniciais e algumas categorias, como condição para pagar melhor outras que recebem muito pouco, na opinião do próprio jornalista. Isso é neoliberalismo, Sr. Juremir?

7)    Extinguir a licença- prêmio, um privilégio vergonhoso do servidor público o qual muitos órgãos de elite pagam em dinheiro, quando não se consegue para uma melhor remuneração para o magistério, por exemplo.  Isso é neoliberalismo, Sr. Juremir?  Só para seu esclarecimento, este instituto não existe mais na União.

8)    Alterar as regras das incorporações das funções gratificadas na aposentadoria, passando para a média em vez da última. Isso é uma  regra aprovada pela reforma previdenciária de  2003, do Presidente Lula. Onde está o neoliberalismo, Sr. Juremir?

9)    Evitar a concessão de reajustes salariais reais. Se o Estado não está conseguindo dar nem a inflação, como vai dar aumentos reais? Aumentos reais, quer dizer acima da inflação. O Senhor não é obrigado a saber isso, afinal o Senhor não é da área. Diga-me onde está o neoliberalismo nisso?

10) Conter o crescimento das outras despesas correntes. Par quem não sabe, isso é economizar no consumo. Não é isso que fizemos na nossa casa, quando o dinheiro escasseia?

11)  Mudança no pacto federativo, visado melhorar a distribuição das receitas? O Senhor é contra isso?. Seria bom deixar claro para seus leitores.

Vou ficar por aí para não me alongar muito.
Sei que é uma luta desigual, porque não sou jornalista e não tenho uma coluna diária num importante jornal da Capital. Mas vou continuar  usando dos escassos recursos de que disponho, um blog pessoal, para continuar rebatendo acusações que beiram a idiotice e nem parecem vir de um jornalista que há tanto tempo detém um espaço tão importante na imprensa gaúcha.

Senhor Juremir, eu quero é acabar com os privilégios e com as regras que conduzem à aposentadoria precoce, para, com isso, sobrar mais recursos para aplicar em saúde, educação e segurança.  Vou lhe dizer uma coisa que o Senhor não sabe, porque não leu o meu livro (citado), na página 245, onde mostra que entre 1971 e 1974 o Estado do RS aplicava 1,9%  do PIB em educação e 1,1% em previdência e agora despende 1% em educação e 2,9% em previdência. Está transferindo para previdência o que deveria aplicar em educação. Estamos com os olhos na nuca, olhando para trás e nos cegando diante do futuro. E o Senhor defende essas coisas e muita gente lhe segue achando que o Senhor é que está certo. Há uma certa hora em que a cegueira é um mal irreparável, assim disse José Ingenieros.

O que acontece é o que Senhor não se conforma com minhas previsões de que o seu partido estava conduzindo o Estado para o descalabro financeiro, embora uma grande parte da crise seja estrutural e venha de trás. Se o Senhor ler a página 150 do livro citado, verá que eu já falava em Estado Ingovernável e se ler a 298 verá que eu já previa um déficit anual de R$ 4 bilhões até 2019. E isso que o livro de fevereiro de 2014, quando grande parte  dos reajustes salariais foi concedida em abril/2014, quando o livro já havia sido lançado.

O governo passado concedeu reajustes que chegam a três vezes o crescimento provável da receita para muitas categorias, até 2018,. e ainda esgotou os recursos que vinham financiando os déficits, contrariando o art. 21, combinado com o 16 e 17 da lei de responsabilidade fiscal, e  o Senhor ficou quieto, quando eu denunciava sempre que podia na imprensa.

É que eu não sou populista, tenho compromisso com o futuro de meu Estado, embora não represente nada na política. A única coisa que Deus me deu foi o entendimento das coisas e a honestidade de propósitos diante delas. E disso não vou me afastar, nem que o Senhor queira com esses ataques traiçoeiros.

Se há uma coisa de que tenho orgulho é de pensar assim. Se isso é neoliberalismo  não me interessa. Prefiro ser neoliberalista a ser neobobista, dizendo coisas que nem eu entendo o que é.



17 comentários:

Claudio Camozzato disse...

Juremir pensa que discorrendo sobre os problemas da vida, principalmente atacando o capitalismo, contribui para algum progresso da humanidade. Esquece ele que todo o avanço de bem estar social obtido deveu-se a livre iniciativa e a estrutura capitalista de economias. Esquerdistas como ele tem atrasado o mundo, mas apesar deles a vida melhorou e muito. O que eles socialistas fizeram foram golpes populares como Stali, Não e outros que mataram milhões de pessoas.

Jefferson Da Silveira disse...

Juremir te moderniza... Socialismo não é igualdade. É o sistema político que cria feudo de funcionários do estado coberto de privilégios e sustentados pela maioria que perde seu poder de compra. Quando os privilégios se tornam demais a única saída é acabar com a opinião da maioria através do controle da imprensa aí vira ditadura que no socialismo tão defendido por ti é chamado de comunismo. Ou você é comunista mesmo eu não sabe o que está dizendo nas ruas comunicações... Cortar privilégios na setor público é uma medida de bom senso, como tu podes ser contra?

Jefferson Da Silveira disse...

Juremir te moderniza... Socialismo não é igualdade. É o sistema político que cria feudo de funcionários do estado coberto de privilégios e sustentados pela maioria que perde seu poder de compra. Quando os privilégios se tornam demais a única saída é acabar com a opinião da maioria através do controle da imprensa aí vira ditadura que no socialismo tão defendido por ti é chamado de comunismo. Ou você é comunista mesmo eu não sabe o que está dizendo nas ruas comunicações... Cortar privilégios na setor público é uma medida de bom senso, como tu podes ser contra?

Os diamantes negros disse...

Este Juremir deveria sentir vergonha de apoiar esta mentira socialista que ama a pobreza e detesta o pobre. Terreno fértil para os ditadores populistas. Esta postura do Sr. Juremir demonstra o baixo nível que chegou a imprensa brasileira.

Ana Guimaraes Ferreira disse...

Não conheço o Jornalista Juremir e acho que não perco nada não conhecendo pois quem é contra cortar privilégios ......e a pura demonstração da falta de conhecimento, bom senso e outras coisas mais.nao valerá a pena ler artigos de quem parte não do conhecimento mas sim do idealismo político. Pena que ele não tenha lido seus livros mas ainda da tempo.....Parabéns Darcy continue pois merecemos ter esses esclarecimentos ...

Darcy Francisco Carvalho dos Santos disse...

Agradeço a todos os que se manifestaram a respeito do assunto em causa. Espero que continuem se manifestando, o que só enriquece meu conhecimentos.

Ciência e Espiritualidade disse...

Darci, outro absurdo é a pensão para as dondocas.

Ciência e Espiritualidade disse...

Darci, outro absurdo é a pensão para as dondocas.

POA-RS disse...

Absurdo quem não acredita nas palavras do Sr. Darcy. É pura matemática o que ele fala, onde 2+2=4, não 5, 10 como essa raça petista que impera no nosso país costuma pensar.

JJ disse...

Olha Darci não te conhecia, porém achei relevante teus comentários. Concordando totalmente com eles. Quanto ao Juremir, bom é um esquerdinha caviar. É lamentável que disponha de tanto espaço em um veículo como o Correio do Povo que também gosto muito.

Darcy Francisco Carvalho dos Santos disse...

Obrigado mais um vez aos que se manifestaram sobre o assunto. Abraço a todos.

Olavo Guimarães disse...

Perfeito. A opinião do Juremir é baseada em achismos e esquerdofrenias, enquanto a sua recheada de dados empíricos. Incrível como os delírios desse cara passam desapercebidos por muitos.
Parabéns, não pare, Darcy! Abraço

Portalete disse...

O seu Juremir ataca todos e tudo que possa despertar atenção. É um homem inteligente, mas que está jogando fora este conceito, em virtude de uma posição arrogante, pretensiosa e por vezes, mentirosa.

Brites Jaques disse...

Caro Prof. Darcy:
Eu não sei nem mesmo se vale a pena tu perderes um minuto de teu tempo com esta figura deplorável.
Nós que conhecemos tua figura humana e o teu incansável estudo das finanças do Estado ficamos chocados com os ataques rasteiros.
Acabei de por no lixo alguns livros que eu tinha deste intelectualóide mau caráter.
Um grande abraço e não desiste.
Brites Jaques
Mestre em Economia
Ex-Sec Fazenda do RS

Vinicius Tumelero disse...

Prezados. Acompanho os blogs e leio Darcy bem como Juremir há muito tempo. Não vejo nenhum problema em abrir a discussão sobre um assunto tão palpitante, mesmo que com pontos de vista diferentes sobre a situação do RS. Saúdo que o debate esquente. Dispenso, porém as agressões aqui colocadas. São dois profissionais que contribuem para o bom debate. Darcy é técnico competente. Juremir tem espaço na mídia que ampliará o campo para as idéias tanto dele como as de Darcy, independentemente do ponto de vista de cada um. Comentei na coluna de Juremir (infelizmente não foi publicado) que mais importante do que o viés ideológico do Darcy, é que ele foi o pensador que conseguiu trazer para o cidadão leigo a real e dramática situação vivida pelo Estado e como a mesma vem se agravando, bem detalhada no livro " O RS tem saída?". E agora comento aqui: O Juremir está fazendo um grande serviço ao comentar Darcy. Abraços a todos....

M. Bernhard disse...

Eu sou servidor público e apoio as mudanças sugeridas nesta postagem. O Estado deve se limitar as necessidades básicas da população e não ficar se imiscuindo em todas às áreas da vida em sociedade.
Tenho pesquisado sobre as reformas feutas na Nova Zelândia na década de 80 e fico pensando quando será a nossa vez de nos livrarmos de vez do famigerado pensamento intervencionista estatal.

Claudemir disse...

"Cortar privilégios"

É isso aí. Se for para os que agora ingressam, ok.

Gostaria, apenas, que essa corja de bajuladores que aqui comentam condenassem, também, os privilégios do JUDICIÁRIO e a ABSURDA "APOSENTADORIA" do Legislativo.

Vossa senhoria, por exemplo, que "tanto amor" nutre pelo Estado, não referiu nenhuma dessas vantagens espúrias obtidas por estes poderes.